Coluna da Paloma - Dias Melhores Virão

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Maiteí, índios
E hoje, é... 22. Taí a Paloma dado seus pitacos muito bem humorados.

 Sinopse
Dias Melhores Virão - Quando Ruth Saunders recebeu o telefonema de uma rede de televisão dizendo que sua série original seria levada ao ar, ela quase não acreditou.
Embora tivesse passado a vida escrevendo, não pensava seriamente que seu roteiro (autobiográfico!) sobre uma mulher jovem, com excesso de peso, que vivia com a avó, e que decidira se mudar para Miami para fazer fortuna, pudesse ser realmente interessante para alguém.
Tudo o que ela queria era ver sua série entre os comentários do público e das revistas especializadas, mas Ruth foi acordada bem depressa de seu sonho...
Atores de cabeça vazia e ego inflado, e burocratas da emissora transformaram seu roteiro para atender a múltiplos interesses...
Todo o esquema criado para se colocar uma série no ar é, ironicamente, narrado por Jennifer Weiner, ela mesma uma veterana da TV. As esperanças de Ruth são sistematicamente frustradas: os acionistas da rede insistem em uma revisão sem sentido, sua personagem principal, uma mulher cheia de curvas, passa a ser quase anoréxica, e a avó, Nana, de mulher madura e sofisticada passa a uma ninfomaníaca da terceira idade.
Divirta-se com a escrita espirituosa e cativante de Jennifer Weiner e sua deliciosa capacidade de fazer valer, em cada um de seus livros, os sentimentos de todas as mulheres.


Olá meus queridos leitores!
 Bem-vindos novamente a mais uma maravilhosa Coluna da Paloma que sou eu! SIM! Eu finalmente dei um tempo nas teorias, nos milhares de Xerox e nos filmes culpados por suicídio de antropologia e estou aqui para escrever sobre mais um livro para vocês!

O livro em questão é “Dias Melhores Virão” da Jennifer Weiner. A Jennifer é graduada na Universidade de Princeton (só isso) e conhecida por representar a geração X. Além de claro, ser autora do best seller do The New York Times com DEZ títulos.

Bem, bem, bem... o livro conta a história de Ruth Sauders, uma escritora que mora em Los Angeles (a cidade em que todo mundo quer ser famoso) e quer ver suas histórias na TV. É, esse é o resumo e eu achei isso bem fraquinho. Pô, a história de uma mulher que quer escrever pra televisão? Que história... fraca. Só que o livro não é só isso. Porque com o passar do segundo capítulo, eu fui apresentada à história da Ruth que sofreu um acidente de carro com os pais aos oito anos, onde ficou órfã e com o rosto muito machucado e tendo que fazer diversas cirurgias com essa idade e sendo criada pela avó.

E aí eu mudei minha opinião. A composição do livro foi muito inteligente porque a Ruth não conta somente a história da vida dela em Hollywood, mas conta toda a trajetória que ela percorreu pra chegar aonde chegou, conta a base da Ruth para se tornar uma escritora de comédia – lembrando que o início da sua vida foi regada de drama

- E o que eu achei engraçado foi que isso coincidiu com uma certa declaração escrita por um certo cantor brasileiro sobre sua magnífica turnê na Europa... Amigos, você deve ter orgulho de onde está e tem todo o direito de ir pra onde quiser, mas você não pode se esquecer de onde veio.


ENTRETANTO, personagem da Ruth fica remoendo as cicatrizes o tempo todo. Em cada página ela cita o rosto dela pelo menos uma vez. Tudo bem que foi uma situação muito complicada pra vida dela, motivos de bullying e dificuldades de socialização. Ok. Mas, cara... LET IT GO! Vamos levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima? Eu encontrei nessa personagem – e consequentemente no decorrer do livro – um sentimento de coitadismo muito forte! Aquele sentimento de “poxa, eu já sofri tanto na vida, mereço muito isso agora!” que é algo que muitas pessoas fazem... eu já fiz, pelo menos.

E o livro fica caminhando entre o drama e a comédia o tempo todo e isso equilibra a narrativa, além de resumir como é a nossa vida. Nem sempre estamos no fundo do poço, nem sempre somos completamente felizes; outras vezes estamos felizes por um lado da vida, mas pelo outro, tudo está uma bagunça! Sem contar com as críticas ao mundo de Hollywood que são bem encaixadas na história e são contadas de uma forma que não ficam nem agressivas, nem romantizadas.

Foi uma história muito legal de acompanhar! Inclusive porque eu não consegui sentir raiva dos personagens – um dos meus grandes problemas de leitora... – porque já estava naquela vibe de que a tempestade na vida de Ruth já havia passado e agora estava tudo bem. Dias melhores, hum?! Logo, a leitura foi muito mais tranqüila do que qualquer outro livro que eu já tenha lido porque eu SEMPRE ficava na tensão de “Oh, meu Deus! Tudo vai dar errado, cadê o final feliz?”. Foi uma delícia ler assim, tranquilamente, sabendo que uma hora, tudo vai dar certo.

Essa foi a minha experiência com a leitura desse livro e espero que tenha gostado!


Paloma Oliveira, Pam ou Café. A idade varia entre cinco anos, quando está com seu enteado e sessenta, quando acorda segunda-feira de manhã. Tem espírito italiano porque se tem algo que leva a sério é o Bel far niente! Apaixonou-se por história aos 14 anos, amor que segue até hoje. Nerd assumida e louca por Darth Vader, Don Vito Corleone e Sr. K. Seu coração literário bate mais forte por Dan Brown, Harlan Coben e A.M. Ben Noach.-Colunista

9 comentários :

  1. Olá, pela resenha ,creio eu ,que seja um livro para passar uma tarde lendo um livro divertido mas sem grandes pretensões.
    Se surgir uma oportunidade vou ler com certeza,mas não entrou para minha lista de desejados.

    ResponderExcluir
  2. O livro parece ser ótimo, curto muito uma história entre o drama e a comédia, fiquei bastante interessada em ler.

    ResponderExcluir
  3. O livro parece ser muito bom , quem sabe não entra em minha meta de leitura ?
    É sempre bom ler um livro mais leve :)

    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Paloma, tudo bem?
    Gosto muito do jeito que você resenha, sempre divertido e leve.
    Eu já tinha escutado falar do livro, mas não tinha me interessado. Sua resenha me deixou curiosa, vou anotar a dica para uma futura leitura.
    Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
  5. Haha que delícia de resenha! Bem, não conhecia o livro. Não sei dizer se me deu vontade ou não de ler. Gostei do lado bem humorado da história, da ambientação e tal. Mas, o que pesou contra, foi esse lado da personagem ficar o tempo todo choramingando. Na boa, não sei se eu teria paciência rsrs.

    ResponderExcluir
  6. Oi Pam, ótima forma de descrever as sensações que você teve sobre o livro. Eu devo confessar que tenho essa mania de ter uma certa raiva com relação aos personagens. As vezes é coisa besta mas...

    Enfim, acho que o livro merece ser lido pois apesar de tudo, deve mostrar que não importa as dificuldades da vida, dias melhores sempre estão pela frente :)...

    Beijos

    Blog vento literário

    ResponderExcluir
  7. Olá Paloma!
    Não gosto muito de livros com personagens que se fazem de coitado. Isso cansa o leitor o tal de mi,mi,mi irrita. Mas gostei da mensagem que o livro passa. Realmente temos que lembrar de onde viemos e não se engrandecer de mais.
    Adorei essa coluna.
    Beijinhos!
    http://eraumavezolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Fiquei impressionada com as informações que você passou sobre a autora, pois não me lembro de ter ouvido falar nela antes de ver esse livro.
    Não tenho muito interesse por essa trama envolvendo a série de TV, mas a vida da protagonista, seus traumas e, principalmente, o modo como ela lida com isso parecem ser bem interessantes.
    Imagino que essa coisa do "coitadismo" deve incomodar muito durante a leitura, né? Pelo menos acho que me incomodaria. Mas o bom é que parece ser um livro mais tranquilo, daqueles que a gente lê esperando pelo final feliz, o que às vezes é muito bom.

    ResponderExcluir
  9. Oi Paloma,
    Ah que livro fofo, eu gosto de livros que mesclam comédia e outro gênero... da uma leveza aos sentimentos fortes como drama e etc...
    Gostei da Ruth, e da sua forma de encarar a vida, apesar de carregar alguns traumas...
    Gostei da sua citação também: "Nem sempre estamos no fundo do poço, nem sempre somos completamente felizes."
    Um super abraço

    ResponderExcluir

A Tribo Participa

Get your own free Blogoversary button!

PUBLICIDADE


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

Tribo Apoia

Top Comentaristas

Widget by: Code Box

Clique