Entrevista - Lhaisa Andria

quinta-feira, 15 de março de 2012

Índios,
Um dos maiores objetivos da Tribo do Livro e reconhecer e apoiar os novos autores que estão surgindo na Literatura Brasileira Contemporânea. Por isso faremos uma série de entrevistas com este novos talentos. Nossa primeira entrevistada é a escritora catarinense Lhaisa Andria, que terá seu primeiro livro Almakia I- A vilashi e os dragões, publicado em abril pela Modo Editora.


A autora por ela mesma

Nasci em Xanxerê, Santa Catarina, e morei em muitos lugares até meus seis anos, e desse tempo em diante minha família se estabeleceu em Foz do Iguaçu no Paraná (uma cidade em que eu adoro morar, quando o termômetro se mantém abaixo dos 40°...). Sou licenciada em Letras pela universidade do Oeste do Paraná e já me aventurei como professora (mas, não adianta, escrever foi mais forte nesse caminho). Atualmente trabalho como redatora em uma agência de comunicação, a Trafor http://www.trafor.com.br . Moro com meus pais, minha irmã menor, a Tina (nossa pinscher-bebê-da-casa) e o Loro (meu papagaio que só dá o pé se for para mim).
Há 11 anos faço parte de um grupo de escritoras chamado LAP. Em todo esse tempo desenvolvemos produções (fanfics, textos, vídeos, desenhos) e organizamos eventos culturais/literários (EP Foz, AnimeFoz e oficinas em Feiras Literárias). Paula Vendramini, que também está lançando um livro agora (Série Devoy), é a P da LAP (não, não foi combinação nossa lançarmos nossos livros de uma forma tão próxima assim, mas não podemos mentir que estamos super felizes com o fato :D). Nosso trabalho está disponível no http://laproom.wordpress.com.
Antes de receber o convite de Modo Editora, publiquei contos em algumas coletâneas pela Editora Andross. Eles estão em: Tratado Secreto da Magia Vols. 1 e 2 (no 2 existe uma crônica sobre Almakia); Histórias Envenenadas Vol. 1 e Bola de Pelo.


TL. Oi, Lhaisa, sabemos que é um clichê perguntar isso, mas os leitores sempre querem saber. Quando você soube que queria ser escritora?

LA: Minha principal brincadeira, desde sempre, foi imaginar histórias. Então, acho que isso aconteceu no momento em que eu passei a levar a brincadeira a sério, quando percebi que escrever fazia parte do que eu era.
Escrever um livro (não necessariamente ser escritora), era algo que eu sempre quis, mesmo que ele nunca fosse publicado depois (ia pelo menos tentar). Então, no ensino médio minhas amigas e eu começamos a escrever fanfics, formamos a LAP, cursei letras, ganhei um prêmio com um conto aqui na minha cidade e aprendi muito sobre escrever. Tudo isso me levou a estar aqui hoje, e tenho orgulho desse caminho :D

TL. Como você vê  atualmente a  Literatura Brasileira Contemporânea com muitos autores sendo lançados?


LA: Quando eu descobri a mágica de se ter uma carteirinha da biblioteca, descobri também como a disponibilidade de livros que eu gostava de ler era limitado. Ou eram livros divertidos, mas muito infantis; ou eram livros juvenis que não me diziam muita coisa; ou eram livros difíceis que eu gostava, mas não tinha maturidade para entendê-los como um todo. Harry Potter iniciou uma revolução nessa área, e vivi justamente o começo disso tudo. Agora, vendo aonde a Literatura Brasileira chegou e acompanhando esse processo dos últimos anos, tenho confiança de que hoje pode haver um livro para todo o tipo de leitor. E, dentro dessa realidade, penso que os leitores têm um papel fundamental de serem exigentes com o que leem, para que também nossas estantes não fiquem abarrotadas de livros sem novidades.

TLAlmakia - A vilashi e os Dragões- livro I é seu primeiro livro que será lançado? Qual a sua expectativa em relação a isso?


LA: Sim, é meu primeiro livro e a sensação que tenho é de frio na barriga total! E espero que os leitores gostem tanto de lê-lo como eu gostei de escrevê-lo! :D

TL. Qual sua inspiração para escrever a história de Garo-lin?

 LA: A inspiração vem do lugar que a gente menos espera e, geralmente, em momentos que não temos nada para anotar :D Para Almakia, várias coisas me deram inspiração nesse processo, como músicas, outros livros, coisas que vi...
Conversar com a Paula e com outros amigos meus também ajudou muito, porque Almakia é um mundo complicado e tem apenas 2 anos de existência. Então, contar sobre ele para outras pessoas foi como aos poucos ir desfazendo um nó muito grande e conseguindo ter uma visão mais ampla de tudo... Isso sem contar as risadas! Paula e eu nos divertimos muito imaginando situações e diálogos das nossas personagens :D


TL. Almakia é um mundo fantástico. Em quais elementos culturais você se apoiou para escrevê-lo?

LA: Almakia me deu liberdade de colocar tudo o que eu gostaria de ver em uma história em um lugar só. Esse mundo cresceu conforme o livro foi se desenvolvendo, e para conseguir dar conta dele precisei desenhar mapas (Tolkien vai puxar meu pé se eu revelar meus mapas em formato de ovo frito para o mundo), pensar em climas, distâncias, relevos, vegetação e – principalmente – na História de Almakia. 
A base desse livro surgiu a partir de uma fanfic chamada Entre Doces e Dragões, e essa fanfic foi baseada em um dorama (seriado) japonês adaptado para o universo de Harry Potter. Quando terminei de escrever a fanfic há alguns anos e contabilizei os resultados positivos – não só de comentários de leitores, mas de aprendizado com a escrita dela – pensei que ela poderia ser um livro. Mas não podia usar a mesma trama, nem os mesmos cenários, nem os mesmos personagens. Então, selecionei um punhado de coisas que eu achava que deveria manter em essência no livro e comecei a desenvolver um mundo para colocá-los... o que pensei que seria fácil :D


TL. Tive a oportunidade genial  de ler em primeira mão seus originais, parabéns pelo trabalho de criação. Identificamos que em sua obra não há elementos repetitivos de outras histórias,– pelo menos não das que conheçemos neste gênero – o que hoje é muito comum. A que você atribui isso, fora a criatividade que você apresentou ao criar e caracterizar os personagens?

LA: Leio e assisto muito, coisas de toda a parte do mundo, o que me dá um repertório imenso de referências. Mas, somente isso não é o suficiente para que algo que você está fazendo seja bom. Penso que o que contribui para essa minha forma de escrever e apresentar a história seja principalmente a minha autocobrança de fazer algo que realmente valha a pena ser lido. Sabe, conseguir com que o seu leitor dê um sorriso sincero ao ler algo que você escreveu é uma sensação única. Isso me motiva a buscar sempre fazer algo melhor :D


TL. Há algum personagem em especial que é inspirado em alguém ?

LA: Garo-lin mantêm a força de vontade dela baseada nas personagens pobres tanto do dorama quanto da fanfic que serviu de base para Almakia. Mas, ela se transformou em uma vilashi que lida com questões muito mais complicadas, principalmente o preconceito. As atitudes dela são baseadas em uma pessoa real, amiga minha, que viveu um contexto parecido e possui essa mesma força de vontade, misturado com um senso de justiça muito forte. Desde antes de começar Almakia, eu já dizia para essa pessoa que, se um dia eu escrevesse um livro da Entre Doces e Dragões, a personagem principal seria baseada nela :D

TL. Percebi em Garo-lin uma personagem feminina forte, em dado momento ela até me lembrou, um pouco, a  Katniss de Jogos Vorazes. Quais dos personagens foi mais fácil para criar e qual o mais difícil?

LA: Confesso que ainda não conseguir ler Jogos Vorazes. Ele está na minha fila para ser lido (que aumentou muito desde que passei a dedicar o meu tempo livre exclusivamente para escrever). Então, o que sei sobre a Katniss é um pouco do que ouvi falar e do que vi no trailer do filme. Mas é bom saber que personagens principais fortes são tendências, acho que isso faz muita falta em alguns livros :D

Sobre os personagens, acho que não tem um fácil e um difícil. Tem o mais divertido e o mais complicado: Krission e Kandara.
O Krission tem uma forma absoluta de ver o mundo e isso não equivale ao senso comum. Então, imaginar como ele agiria,que resposta daria,como veria uma situação e colocar isso em palavras são as partes que eu mais gosto de escrever :D
A Kandara foi uma personagem complicada porque ela é alguém que sabe e esconde muita coisa. Pensar no tanto de informação que ela poderia revelar, para quem e como foi difícil. Isso sem contar que ela é o exemplo para Garo-lin, e isso é um fato importante para o futuro de Almakia :D

TL. Quando o livro terminou a história ficou em minha cabeça, confesso que estou curiosíssima pela  continuação. Este é o primeiro livro de uma série ou trilogia? O que você pode nos adiantar sobre a continuação da história de Garo-lin e Krission e de Vinshu e  Kidari?

LA: Será uma trilogia, pelo menos penso assim. Como Almakia é um mundo criado, nada me impede de desenvolver outras histórias nele, tendo ou não relação com esses três livros.
Hum, o que eu posso adiantar sem contar spoilers tanto do primeiro quanto do segundo livro? Garo-lin vai se mostrar muito mais líder do que ela mesma esperava ser. Vinshu vai revelar coisas importantes sobre os Dragões de Almakia e sobre ele mesmo. Kidari vai encontrar alguns novos amigos que vão ajudá-la... E o Krission? Bom, ele continua sendo um Dul’Maojin e agindo da forma que acha certo sem se importar com os outros :D
O livro 1 é só o primeiro passo para tudo. É quando pessoas importantes se encontram e a relação entre eles é apresentada. A trama do livro 2 se passa muito Além dos Segredos :D

TL. Para terminar. Você acredita que os blogs literários ajudam na divulgação ou não de um livro?

LA: Acho que a melhor divulgação que pode existir é uma pessoa que realmente gostou do seu trabalho dizer que gostou e citar os porquês. Os blogs permitem isso e ainda têm o bônus da interação e o alcance.
Fico me imaginando, lá na quinta série, com a minha recém-adquirida carteirinha da biblioteca nas mãos, sem poder contar para ninguém que gostei de tal livro, porque eu era uma das únicas que liam. O mundo antes da internet discada era um pouco desanimador e triste se o compararmos com o de hoje :D
Blogs literários são essenciais, principalmente para literatura fantástica voltada para os jovens, já que eles estão inseridos dentro da realidade desses leitores :D

Jogo Rápido:

Uma cor: verde;
Uma flor: Dente-de-Leão (eles são mágicos :D);
Uma música: Believe – Arashi (Eu sempre estarei procurando por meus sonhos, gritando até minha voz ficar rouca);
Um livro: Harry Potter (sem ele, não teria Almakia :D);
Um filme: Filmes fazem parte da minha vida, escolher um só é difícil. Então, dos mais recentes, gosto muito do Enrolados da Disney, porque ele me lembrou muito a forma como eu escrevo Almakia :D ;
Um sonho: Meus sonhos são objetivos, e já estou no processo de realizar vários deles :D Publicar Almakia é um deles o/;
Viagem dos sonhos: Japão com ingresso para show do Arashi (penso no mais difícil, então as outras viagens ficam todas dentro do possível :D);
Maior desejo: poder realizar todos os projetos da LAP o/ (e ter dias de 30hs);
Frase: um grito de guerra desde muito tempo: não importa quantas palavras você diga, uma pode ser a melhor de todas! (Arashi, claro)


Capa do primeiro livro
da Trilogia Almakia


6 comentários :

  1. Tem Arashi ali... Ah, é a Lhaisa que tá falando... sempre vai ter Arashi no meio!
    Parabéns L, pelo livro que está por vir!
    Quero o meu com autógrafo e dedicatória ^^

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela sua trajetória.
    O livro é bem interessante e gostei muito da entrevista.
    Bjos!

    ResponderExcluir
  3. Siiiiiiiiiiim! \o/ Almakia é um livro maravilhoso e eu sei que sou suspeita de falar, mas falo mesmo assim xD

    =D

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pela entrevista!!!
    Sucesso!!!

    ResponderExcluir
  5. A Lhaisa demonstrou ser criativa e simpática e o livro tem uma capa linda, que tenha muito sucesso!

    ResponderExcluir

A Tribo Participa

Get your own free Blogoversary button!

PUBLICIDADE


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

Tribo Apoia

Top Comentaristas

Widget by: Code Box

Clique