Literatura Sombria

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Literatura Sombria - Pesadelos, Escuridão e Máscaras sempre bem marcadas

Uma parte muito interessante da literatura tem sido posta em voga ultimamente: a Literatura sombria. Com títulos cada vez mais constantes - inclui-se aqui temas vampíricos, monstros e zumbis, terror e suspense - a literatura noir tem tomado espaço entre os ramos que estão hoje mais valorizados no mercado.

Traçando-se um começo com Byron e o seu The Giaour (1813) ou Coleridge e Christabel (1800) temos o vampirismo. Com Mary Shelley e Frankenstein – ou o Prometeu moderno – em 1816 começou-se a falar de monstros criados por homens. Romero, em 1968, trouxe ao cinema o gênero zumbi com seu Night of the living-dead, após um início de obras sobre o tema ainda vagamente relatado na cultura inglesa da época. The book of Werewolves (o Livro dos Lobisomens) de Sabine Baring-Gould em 1824 traz o lobisomem à ficção. No aspecto de suspense puro e terror, poucos nomes eram vistos, além de Doyle.



O termo Noir (ou Noire, uma vez que a palavra Literatura é um substantivo feminino) vem do francês Escuro, Noturno, Soturno. Termo este que define parcialmente o que as obras neste estilo tratam uma vez que a maioria dos mistérios tendem a ser associados à escuridão noturna e claro, a maior parte das criaturas optam por este meio ambiente flagelado. Nota-se que, como dito, não basta ser sobre-humano. Precisa sê-lo mas herdar alguns caracteres dos seus criadores. O Nosferatu apaixonado pela bela dama, o Monstro que quer ser homem novamente (que inclusive mata seu criador, molda uma esposa à sua imagem e semelhança e terminam seus dias felizes numa ilha escondida do globo) e assim em cada obra. Estranhamente parece que nenhuma destas criaturas está feliz em ser como é, corroborando aqui a necessidade do autor expressar a superioridade humana por sobre todas as outras entidades. Todas elas, no fundo, precisam ser humanas.

Contudo, talvez a adaptação de todos estes temas para o cinema e novelas da época tenham contribuído para o crescimento exponencial do assunto, de Hitchcock a Barker, de Nosferatu a Resident Evil – na atualidade.

Falar em literatura sombria não é somente falar sobre assuntos cataclísmicos, mortes explícitas, terror evidente ou sujidade, é entender também o conceito de sobrenaturalidade ou adequação interpessoal. Claro, sempre há o processo de transubstanciação de espécies e por conseguinte, nossa assimilação (ou não) de sua presença. Desde o vampiro que tenta se adaptar ou o serial-killer, o monstro que não se reconhece ou o ousado orgulhoso. É uma literatura abrangente e muitos dos temas conhecidos hoje estão enraizados neste princípio. Se não fosse por sir Arthur Conan Doyle hoje não teríamos o elo perdido para o suspense policial ou por King, o tete-a-tete para descobrir o assassino nas histórias.




Também, muito há sobre exposição brutal, violência, carnificina, terror palpável, destroços e ameaças – eu particularmente opto por este ramo – mas acredito que vá além deste potencial. É inclusive adaptativo, senão não teríamos hoje Crepúsculo se não fosse Madame Rice começar com suas Crônicas Vampirescas e o conceito de vampiro moderno que Mestre Stoker não tinha pela época.

“Penso que a coisa que mais alivio nos traz, neste mundo, seja a incapacidade da mente humana em correlacionar todos os seus conhecimentos. Vivemos numa plácida ilha de ignorância, no meio de mares negros de infinito, e não nos foram destinadas longínquas viagens. As ciências, cada uma tentando defender a sua posição, prejudicaram-nos pouco até agora; mas um dia, a união de conhecimentos dissociados irá revelar-nos perspectivas tão terríveis da realidade, e da nossa assustadora posição nela, que enlouqueceremos devido a esse anúncio, ou fugiremos dessa luz fatal para a paz e segurança de uma nova idade das trevas”. H. P. Lovecraft

Encaixa-se em literatura sombria todo aquele ramo que, hoje, fala sobre aspectos inumanos como anjos, vampiros, demônios e afins. Mesmo que noir inclua em si algo de romântico ou apelativo. Sendo extra-sensorial considera-se noir em suma. Porém, longe de ser apenas literatura fantástica já que, nestas obras, sempre há um crime ou congruência de pensamentos divergentes. Mas não consideremos apenas ter estas entidades, uma obra sombria.


O noir pode ser bem humorado como em Anno Drácula, romântico como em Halo, ousado como Entrevista com o Vampiro, sangrento como o Livro vermelho de Jack, o estripador ou suave como as obras de Gaiman. O que vê-se em dominante aqui, para o estilo, é a conjectura da personagem que constrói a obra, o clima, o apogeu e o perigeu com que se descreve e desenrola. Literatura noir não é catalogar um personagem sobre-humano numa obra, é todo o contexto de mistério, suspense, revelações sombrias, máscaras e conceitos nem sempre sociáveis ou corretos dentro da fólea coletiva atual. Noir difere da ficção por esta mesma razão, não é clínico ou explicativo por prioridade, é algo a se tratar mas nem sempre o ponto principal. O clima constrói o noir mesmo que o personagem seja humano, também. Talvez seja a melhor forma para explicar.


Existe o noir exclusivamente policial (ou Polar, pela gíria francesa) e este só assemelha-se à característica sombria pois geralmente envolve sujidade e o clima de mistério, evidente que aqui, um romance ou conto peculiarmente apenas com humanos.



Jacques Cabout escreveu, “Ele (Poe) não coloca um indivíduo normal num universo inquietante, ele larga um indivíduo inquietante num universo normal. Nada acontece à personagem. A personagem é que acontece ao mundo".

Um pouco sobre cada autor referido:

H. P. Lovecraft
Lovecraft divide o título de maior mestre do horror de todos os tempos com Edgar Allan Poe. Foi responsável por criar uma mitologia própria. A expressão máxima de seu talento está na obra "Nas Montanhas da Loucura", infelizmente esgotada no país. Entre seus títulos mais conhecidos estão "O Caso de Charles Dexter Ward" e "A Cor que Caiu do Espaço", entre outros.

Edgar Allan Poe, um dos precursores

É um dos precursores do gênero e provavelmente o escritor mais conhecido e replicado desta lista. Poe tem como maior símbolo de sua obra o poema "O Corvo", que incorpora toda a dimensão sombria e pessimista de seu trabalho. Também é autor de "Os Assassinatos na Rua Morgue" e "Histórias de Crime e Mistério".

Mary Shelley
Shelley é a autora de "Frankenstein", ficção na qual um cientista, o Dr. Frankenstein, contraria as leis da natureza e recria a vida ao construir um homem com restos humanos, como num mito bíblico às avessas. A estrutura "criador e criatura" inventada por ela passou a ser replicada em toda a ficção. É responsável ainda por "O Último Homem".

Bram Stoker
A versão de "Drácula" criada por Stoker tornou-se a principal referência para o mito de origem dos vampiros. Embora seja um dos mais celebrados autores do gênero, apenas o título que o alçou à fama tem grande reconhecimento no Brasil.


Stephen King, um mestre atual

Mestre do horror moderno, King é provavelmente o mais celebrado escritor de histórias sobrenaturais vivo. É autor, entre outros livros, de "O Iluminado", adaptado para os cinemas com maestria por Stanley Kubrick. Também é responsável por clássicos como "Sombras da Noite", "Dança Macabra" e a série "A Torre Negra".

Clive Barker

Barker é famoso pelas séries de livros "Hellraiser", "Candyman" e "Livros de Sangue", no momento esgotados. As duas primeiras deram origem a cultuados filmes de terror. Também é conhecido por "Abarat" e "O Desfiladeiro do Medo".

No Brasil temos nomes de André Vianco (Os Sete, Sétimo, Turno da Noite), Nazarethe Fonseca (Alma e sangue, O Pacto dos Vampiros), Alfer Medeiros (Fúria Lupina), M. D. Amado (Aos olhos da Morte), entre outros.

Atualmente existem diversas boas obras, baseadas nos nossos clássicos. Vale sempre a pena conferir.


Nenhum comentário :

Postar um comentário

A Tribo Participa

Get your own free Blogoversary button!

PUBLICIDADE


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

Tribo Apoia

Top Comentaristas

Widget by: Code Box

Clique